Brasileiríssimo da comida ao design
Na recém-inaugurada sede do Instituto Moreira Salles, em São Paulo, o  restaurante Balaio, do chef Rodrigo Oliveira, prima pela excelência de sabores de diversas regiões do país e pela apurada seleção de móveis assinados por Paulo Alves.

Hospitalidade e boa comida são os trunfos do premiado chef Rodrigo Oliveira (acima) para conquistar a clientela do novo Balaio.

“É um restaurante para todos. Informal, caloroso e acessível no preço e no conceito”, diz o chef Rodrigo Oliveira sobre seu mais recente empreendimento, o Balaio, no térreo da nova sede do Instituto Moreira Salles (IMS), localizado na agitada av. Paulista, entre as ruas Bela Cintra e Consolação. O projeto começou a ser rascunhado em 2011, quando Pedro Moreira Salles o convidou a comandar a cozinha e o café do centro cultural, cuja arquitetura foi concebida pelo escritório Andrade Morettin Arquitetos.  

Aos 37 anos, Rodrigo se tornou conhecido como o inventivo chef que levou a elite paulistana para a Vila Medeiros, bairro na zona norte de São Paulo, onde ele prepara delícias sertanejas no seu Mocotó, eleito o 28º melhor restaurante da América Latina pela revista inglesa The Restaurant.

 

O gosto pela cozinha veio da influência do pai, o pernambucano José Oliveira de Almeida, que iniciou o empório Casa do Norte, em 1973. “Aprendi desde pequeno a valorizar a gastronomia inclusiva e nacional. Acho que essas características contribuíram para que eu fosse o escolhido aqui”, opina Rodrigo, proprietário desde 2013 do Esquina Mocotó – de comida autoral inspirada na cultura paulistana e contemplado com uma estrela no guia Michelin – e dos recentes Mocotó Café, no Mercado de Pinheiros e no Shopping D.

Para criar o Balaio, o chef contou mais uma vez com a ajuda de Marino Barros, do LAB Arquitetos, responsável por projetar essa e as outras unidades. “O Rodrigo defende a arquitetura da inclusão e o Balaio mantém esse espírito. É um restaurante plural, por estar localizado num centro tão importante como a av. Paulista, mas que não abandona suas raízes”, considera o arquiteto.

Da esq. para a dir., Rodrigo Oliveira, Marino Barros e Paulo Alves: sintonia entre gastronomia, arquitetura e design.

Na hora de pesquisar o mobiliário do novo espaço, a opção recaiu naturalmente sobre o design brasileiro. “Fomos atrás de profissionais da madeira, pois queríamos que o material contrastasse com o concreto e o vidro do edifício, trazendo conforto e acolhimento”, explica Marino. As peças de Paulo Alves foram as eleitas. “Marino visitou meu showroom com Rodrigo, e ele se encantou com a cadeira Atibainha. Propus fazer, então, a Mocotó, um desdobrabamento desse modelo”, conta o designer.

A cadeira Mocotó foi criada especialmente para o restaurante Balaio. Na parede, tapeçaria da By Kamy, fabricada no Brasil, como desejava Rodrigo.
Da coleção de móveis de Paulo Alves, a mesa Guaimbê ganhou versão de madeira catuaba e roxinho e de acabamento ebanizado, como na foto abaixo.
De jequitibá e inspirado no banco caipira, o modelo Marino homenageia o arquiteto Marino Barros, um dos sócios do Lab, escritório responsável pelo design de interiores do restaurante.

Além da Mocotó, o designer projetou a mesa Carcará, com base de concreto e estrutura de madeira, sugerindo as garras da ave do sertão, e o banco Marino. “No Balaio, minhas peças serão usadas por muitas pessoas. Isso muito me motivou”, afirma Paulo. Para o café no 5º andar do museu, ele desenhou ainda o banquinho Rango e a mesa Tatu, com apenas 40 cm de altura para não impedir a vista do jardim e da escultura do americano Richard Serra, ainda não instalada, mas prevista para se estender do térreo até esse pavimento. 

Entre as cadeiras Mocotó, a mesa Carcará, com base inspirada nas garras do pássaro característico do sertão nordestino.
O tampo da mesa Carcará combina diferentes espécies de madeira: roxinho, cumaru, catuaba, garapeira, entre outras.
Antes de ambientarem o Balaio Café, no 5º andar do museu, os bancos Rango e a mesa Tatu, de apenas 40 cm de altura, foram expostos no Fashion Week, no prédio da Bienal, em São Paulo, onde esta foto foi registrada.

Para o arquiteto, a brasilidade presente no trabalho de Paulo Alves casou harmoniosamente com a culinária do premiado chef de cozinha, formado pela Faculdade Anhembi-Morumbi. “Ambos valorizam nossas raízes e as interpretam de maneira inovadora”, diz. Além da madeira, o arquiteto selecionou cores quentes para o ambiente. “O laranja e o vermelho remetem à paleta de cores da terra, do sertão”, afirma.

O balcão do bar, de mogno africano, acomodará os clientes das 12h às 22h, de segunda a sábado, e das 12h às 17h, aos domingos.

No cardápio, que privilegia os ingredientes brasileiros, Rodrigo pretende manter os já consagrados torresmos e dadinhos de tapioca do Mocotó e incluir pratos de diversos estados: arroz de linguiça bragantina; paleta de cabrito assada servida com angu de fubá branco; além de opções vegetarianas, saladas e sanduíches. “O Balaio se inspira no Brasil e olha a tradição com contemporaneidade”, garante.

Os balaios de vime sobre o bar, que servem de cúpulas de luminárias, fazem referência ao nome do restaurante, focado na cultura brasileira.

O novo point, cujos almoços e jantares serão servidos sem interrupção, contará ainda com a expertise do capixaba Rafael Welbert, vencedor do primeiro Concurso Nacional de Rabo de Galo entre 29 bartenders. Rafael, que viveu vários anos na Itália, deixará o Esquina Mocotó para se dedicar a drinques artesanais e 100% brasileiros, como prega a essência da cozinha e do design do Balaio.

O inovador edifício de sete andares, assinado pelo escritório Andrade Morettin Arquitetos na av. Paulista, abrigará exposições nacionais e internacionais, uma biblioteca especializada em fotografia, cineteatro, salas de aula para cursos e oficinas, além da primeira unidade paulistana da livraria Travessa, do Rio de Janeiro, e o restaurante e o café Balaio. Para a inauguração, o IMS selecionou cinco mostras, entre elas: a célebre série Os americanos, do fotógrafo Robert Frank, e a premiada videoinstalação The Clock, de Christian Marclay.

Por Regina Galvão


Visite a loja do Paulo Alves na Boobam:

Avatar
Posted by:Boobam

2 replies on “Balaio no Instituto Moreira Salles

  1. Maravilhoso local! Vou visitar! E estas luminárias maravilhosas de palha? De onde vieram? Tenho interesse caso possam informar onde adquirir.
    Obrigada.

    1. Oi Sonia, tudo bem? Infelizmente não sabemos de onde são as luminárias.

Deixe uma resposta