Como vocês dois se conheceram e como surgiu a ideia de criar a Oficina Itsu?
Eu e Edu trabalhávamos na mesma empresa. O Edu era diretor de arte e eu, designer de acessórios. Trabalhamos nessa empresa juntos por 8 anos, quando decidimos passar a nos encontrar aos fins de semana, em uma oficina que o Edu mantinha em Niterói, para criar livremente, vivenciar o ambiente de oficina e desenvolver um trabalho autoral.

Oficina_itsu_Bhering

 

Uma nova etapa da Itsu toma forma no novo espaço na Bhering. Conte mais sobre essa experiência em criar um ambiente que refletisse a cultura da marca.
Tem sido incrível esse novo momento! A itsu sempre teve como definição ser uma marca aberta, sem especialidade em um produto específico, mas sim uma forma de ver e interpretar diferentes objetos dentro de uma estética, criando um senso de identidade e unidade, tudo dentro de um estilo de vida único. O fato de termos um lugar para mostrar essa unidade, e transmitir a atmosfera e o lifestyle que buscamos, muda muito a percepção das pessoas sobre o nosso trabalho. É o que buscamos e o que acho que acontece em nosso showroom. A fábrica é o lugar perfeito para nós, um ambiente incrível cercado de pessoas super talentosas.

Oficina_Itsu_showroom

Oficina_Itsu_gaveteiro #1 itsu

A composição, tanto nas formas como nas cores, são uma marca registrada do estilo de vocês. Usam 9 cores e respeitam elas ao máximo, certo? Conte mais sobre esse conceito.
Desde o início, talvez por nossa experiência no mercado de moda, pensamos na identidade da Itsu como quem pensa uma coleção; um sistema com regras, como: a paleta de cores, os materiais, o tipo de interferência gráfica, os acabamentos, etc… Nossa intenção era compor uma identidade para a marca e somos fiéis a esse conceito. Acreditamos que essa identidade é algo muito importante na Itsu, é o que nos define.

Oficina_Itsu_paletadecor

Oficina_Itsu

A parceria de vocês começou no criativo de moda e se estendeu para o design. Qual foi a mudança mais radical no processo criativo de vocês nessa etapa?
Na época em que trabalhávamos nessa empresa de moda já estudávamos algumas tentativas de quebra e reinvenção do processo criativo. Quando você trabalha em uma empresa formal, com muitos funcionários, é fácil cair na armadilha da falta de tempo e liberdade para criar. Como o mercado de moda exige uma renovação constante, era importante criar mecanismos para que o fluxo de criação se mantivesse elevado. O Edu, como diretor de arte, começou a experimentar nessa época, com a equipe dele, sessões de oficina criativa fora do ambiente da empresa, sem computadores, numa atmosfera mais lúdica. No fim das contas, foi esse tipo de vivência que nos levou a criar a Itsu. Foi com essa experiência que passamos a enxergar o valor do trabalho manual, a vivência de oficina, a manipulação dos materiais como forma de desbloqueio criativo.

Oficina Itsu

mesa de centro ralf the robot

Os dois fazem um pouco de tudo ou dividem algumas funções?
Na Itsu todos fazem um pouco de tudo! Como todas as empresas que estão em desenvolvimento, nos desdobramos para conseguir realizar tudo que nos propomos. Claro que individualmente cada um tem qualidades que acabam direcionando o trabalho para uma ou outra função, mas por enquanto todos participam de todas as etapas.

Oficina_itsu_Daniel Olej

Oficina_Itsu_rack sonia

Percebemos um estilo nórdico nas peças, com a escolha de madeiras claras e naturais de aparência fosca. Quais são os materiais que mais gostam de trabalhar?
Esse estilo nórdico é mais uma consequência que as pessoas mencionam com certa freqüência, do que uma intenção. Como disse anteriormente, a orientação do trabalho sempre foi baseada na identidade de cores, formas, materiais e acabamento, a consequência disso é o resultado visível que as pessoas costumam associar com as próprias referências. O fato de escolhermos materiais crus, naturais, acredito que contribua para essa percepção. Gostamos de trabalhar com madeira, metal, couro, lona, materiais “simples” que sejam atemporais. Não nos impomos limitações nesse sentido, mas posso dizer que buscamos um certo calor, um toque natural, cores naturais. Isso, como contrapartida ao nosso trabalho de pintura, que trás questões opostas a essas, com cores mais artificiais e o acabamento extremamente uniforme.

dsc_6345

Alguns designers e artistas que admiram são?
O estilo nórdico é sem dúvida uma referência para nós, assim como o trabalho de alguns designers e a filosofia japonesa. Quando começo a pensar quem são as nossas influências a lista não caberia aqui! Muito difícil enumerar pessoas específicas, até porque muitas vezes o trabalho não tem influência direta sobre o que fazemos, mas sim o pensamento por trás do resultado.

Oficina_Itsu_módulo robot com gaveta p

A melhor e pior parte de ser um designer?
A melhor parte sem dúvida, e aí não posso dizer que é exclusividade de designers, é o fato de realizar coisas concretas. Até hoje, todas as vezes que um desenho sai do papel e se transforma em um objeto tridimensional, eu fico surpreso, acho que até um pouco emocionado. É uma sensação incrível a de projetar e realizar algo. A pior parte não tem a ver com a profissão em sí, mas com as pressões do dia a dia, orçamentos, prazos, briefings equivocados e outras restrições que são necessárias para o trabalho, mas que podem ser um balde de gelo.

 

Os maiores desafios de comercializar os seus trabalhos no Brasil?
A falta de cultura de design no público consumidor, o alto custo de produção, a burocracia, os impostos, a informalidade, as distâncias…

Oficina_Itsu_detalhes

Sites favoritos?
Leio alguns blogs de arquitetura e design, acompanho algumas marcas que acho interessantes, mas hoje, boa parte do meu tempo na internet é acompanhando redes sociais. E claro o meu site favorito é google.com, é incrível poder encontrar qualquer coisa sobre qualquer assunto e as milhares de pessoas que alimentam a internet com conteúdo espontâneo.


Visite a loja da Oficina itsu na Boobam:

Oficina_Itsu_Boobam

Oficina_Itsu_Boobam2

Posted by:Boobam

3 replies on “ENTREVISTA | OFICINA ITSU

  1. Meninos , adorei a proposta de voces e com certeza vou indicar aos meus clientes.
    Tenho em São Paulo um escritorio de arquitetura e decoração,trabalho na area a mais de trinta anos ,e fico muito Feliz qdo vejo, jovens colocando a criatividade em ação..
    Parabens, continuem me enviando as suas novidades.
    Abraços,

    Maiza Gazola

Deixe uma resposta